domingo, 31 de março de 2013

REELEIÇÃO DIFÍCIL


RICARDO COUTINHO tem dificuldades de se reeleger, aponta  Folha

Ricardo Coutinho terá dificuldades de se reeleger sem PT e PMDB nas alianças locais
A Coluna Painel da Folha de São Paulo, escrita pela jornalista Vera Magalhões, aponta que o governador Ricardo Coutinho terá dificuldades de se reeleger sem PT e PMDB nas alianças locais.
Segundo a Coluna, petistas relataram que governadores do Amapá, Espírito Santo, Piauí e Paraíba terão dificuldades de reeleição pela falta de apoio as suas candidaturas.
A colunista relata que a direção do PT colheu diagnóstico de que Eduardo Campos sofrerá resistência nesses estados governados pelo PSB para levar adiante sua postulação a presidência em 2014.
ClickPb
c/adaptações
@aroldorenovato

(IN)JUSTO?


Vereadores de 213 cidades da Paraíba correm sério risco de perder salários


Proposta no Senado faz com que 2.013 parlamentares fiquem se remuneração


O subsídio dos vereadores de 213 municípios paraibanos pode estar com os dias contados. Isso porque, tramita no Senado Federal a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 35/2012 que tem o objetivo de acabar com os salários dos parlamentares municipais das cidades com até 50 mil habitantes e limitar a remuneração para os demais.

Na Paraíba, apenas os 10 maiores colégios eleitorais escapariam, ou seja: João Pessoa, Campina Grande, Santa Rita, Cabedelo, Baeyux, Guarabira, Patos, Sousa, Cajazeiras e Sapé. A PEC é do senador de Goiás, Cyro Miranda (PSDB). Em 2012, foram eleitos 2.185 vereadores na Paraíba e pela PEC, 2.013 deles perdem os salários.

A PEC se encontra na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e pode ser colocada em votação a qualquer momento. O senador por São Paulo, Aloysio Nunes (PSDB) é o relator da matéria. A assessoria de imprensa do parlamentar informou que ele ainda não formulou seu relatório, em razão de dúvidas quanto a aspectos constitucionais.

“A PEC está na consultoria legislativa para dirimir todas as dúvidas em relação a sua constitucionalidade”, reforçou a assessoria. De acordo com o órgão, não há previsão de quando o relatório será votado, mas não deve demorar a acontecer.

Vereadora concorda
Apesar de ser uma matéria polêmica e que causa revolta entre os vereadores, há quem concorde com a PEC. Este é o caso da vereadora do município de Lucena, Josefa dos Santos Silva (Lica) do PSB. Ela lembrou que em outras épocas o parlamentar municipal não recebia salário pelo trabalho que exercia e que isso deveria voltar a acontecer. “Se a PEC for aprovada, eu quero ver quem é que vai brigar para ser vereador. Eu topo, porque não dependo desse salário para viver, mas quero ver quem é que quer trabalhar como eu, sem salário”, desafiou a socialista. O subsídio de um parlamentar em Lucena é de R$ 2.730 mil, segundo informou a vereadora. Lica disse que não fica com nada do que recebe. “O que eu ganho é para ajudar o povo. Meu salário vai todo para o povo, porque eu amo ajudar as pessoas”, revelou.

Parlamento não é serviço público
A presidente da Câmara Municipal de Esperança, Cristiana Almeida (PSB), não concorda com a PEC 35. Segundo ela, o trabalho de um vereador de cidade pequena é muito duro e não seria justo tirar a remuneração dessas pessoas que se dedicam em tempo integral para ajudar a população. Cristiana Almeida disse que é contra as pessoas que fazem do parlamento um serviço público e passam vários mandados sem trazer nenhum benefício para o município. “Tem gente com quatro, cinco mandatos e nunca apresentou um Projeto de Lei, nunca fiz um pronunciamento e não tem, sequer, um emprego e a única coisa que sabe fazer é esse tipo de política”, criticou a vereadora.

Ela disse que não ver como essa PEC ser aprovada, pois acredita que para ser ter um trabalho eficiente é preciso ter incentivo financeiro e não tirar o pouco que se tem. “Nós temos que lutar para aumentar o que recebemos para poder dar conta da demanda”, completou a vereadora. A socialista destacou que os vereadores de Esperança estão a serviço da população, buscando melhorias para a cidade e pela adequação dos serviços municipais. “Diante do trabalho que realizamos, o impacto no orçamento como o nosso salário é muito pequeno”, avaliou.

Vereadora critica abrangência
“Eu acho o vereador deve ser remunerado com base no seu trabalho e dentro das condições do município”. É o que defende o vereador do município de Remígio, João Bosco (PSB). Ele disse ainda que a população deve acompanhar às ações de cada parlamentar e só votar naqueles que tiverem bom desempenho durante o mandado. Com o salário de R$ 3,3 mil, o vereador criticou a PEC 35 que só atingirá os municípios com até 50 mil habitantes. “Isso é muito injusto, para quem trabalha muito e não tem um salário alto”, desabafou. Segundo ele, nas cidades pequenas quem está em contato com o povo é o vereador. “As pessoas não procuram o prefeito para resolver suas demandas, elas vão em busca dos vereadores”, revelou.

Salário em Santa Rosa é de R$ 3,1
Para o presidente da Câmara Municipal de Barra de Santa Rosa, José Everton Oliveira Almeida (PP), a proposta do senador Cyro Miranda, que pretende acabar com os salários dos vereadores de cidade com até 50 mil habitantes, é absurda. Ele defende que haja mais valorização para com os parlamentares e não o que classificou de descriminação. “Nós, aqui, somos tudo para o povo. Fazemos ação social, resolvemos os problemas das áreas de saúde, educação, infraestrutura, fazemos tudo”, comentou. José Everton explicou que à relação da população das cidades pequenas com os vereadores é diferente da dos municípios maiores. Ele diz que o salário de um vereador na cidade é de R$ 3,1 mil bruto. “Com os descontos só ficamos com R$ 2,6 mil. Tem vereador de alguns municípios que recebem mais do que o prefeito da nossa cidade. Isso sim deveria ser revisto”.

Trabalho faz a diferença
O vereador do município de Arara, José Erenildo Oliveira da Costa (PMDB), mas conhecido como Erenildo do Hospital, disse que o parlamentar de um município pequeno faz toda diferença na política local, por estar mais próximo da população. Para ele, acabar com os salários dos parlamentares dessas cidades seria uma grande discriminação, já que os demais continuariam recebendo. Erenildo sugeriu que os vereadores das cidades que podem ser atingidas se unam para protestar contra a PEC 35.“Não tenho dúvida de que iremos nos unir para derrubar essa matéria. Tenho certeza que a adesão contra essa proposta será unanime”. Segundo ele, o maior prejudicado com o fim dos subsídios do vereador seria a população. “Sem salário, de que forma iremos ajudar as pessoas que nos procuram, já que fazemos um trabalho assistencialista?”, questionou.

Jornal Correio da Paraíba 
MaisPb
c/adaptações
@aroldorenovato

EFEITOS DA ESTIAGEM


Seca aumenta em 37% os custos com alimentos em João Pessoa

Nos últimos 12 meses, índice superou em quatro vezes a média da inflação e manterá tendência de alta
A seca deve continuar aumentando o custo dos alimentos, que já acumulam alta de 37,77% nos últimos 12 meses, bem superior à média de aumento de todos os produtos e serviços (10,19%), conforme o Índice de Preços ao Consumidor (IPCA), elaborado pelo Instituto de Desenvolvimento Municipal e Estadual (Ideme). O período de início de plantio está passando e os produtores rurais estão perdendo a expectativa que as chuvas encerrem a maior seca das últimas décadas. Enquanto isso, fornecedores em atacado no Estado acreditam que o encarecimento deve continuar porque já buscaram outros locais para comprar frutas, verduras e cereais e a oferta continua sendo reduzida.
De acordo com o economista do Ideme, Geraldo Lopes, a diminuição da oferta dos produtos, causada pela seca, teve como consequência direta a elevação no nível da inflação. Ele esclareceu que o custo ficou ainda maior porque, para suprir essa pouca oferta local, foi trazida produção de outras regiões, que também é cara, já que há incidência de custos com frete.
"Os preços dos alimentos nos últimos meses contribuíram com o aumento do custo de vida em João Pessoa, na região Nordeste e no Brasil. No ano de 2012, foi registrada a pior seca dos últimos 50 anos na Paraíba, no Nordeste e até mesmo em algumas regiões do Brasil. Dessa forma, a oferta de produtos destinados à alimentação foi reduzida em todo ano de 2012 e nos primeiros meses de 2013”, destacou.
Produção foi comprometida
Geraldo Lopes avaliou que a seca justifica o aumento porque toda a produção regional ficou comprometida e produtos como milho, feijão, fava, arroz tiveram redução na produção em média de 90% em 2012. Com isso, o estado passou a ser abastecido com produtos das regiões Sudeste, Centro-oeste e Sul, no caso de arroz, milho e feijão e parte da carne. Já as frutas e verduras são de áreas irrigadas da agricultura familiar da Paraíba e demais estados do Nordeste, e também da região Centro-Sul, como tomate, maçã e pera.
O economista explicou que, em fevereiro, o grupo alimentação registrou uma variação mensal de 6,71% em relação a janeiro e já acumulava 16,6% nos dois primeiros meses de 2013. Os dados completos e o cálculo do índice de março serão divulgados na primeira semana de abril.
Ele avaliou que não é possível saber o comportamento dos preços para os próximos meses. “Agora é que começa a chover em algumas regiões do Estado e da região e não sabemos da intensidade pluviométrica. Dessa forma, ainda poderá ocorrer boa produção de alguns produtos. Por outro lado, a desoneração dos impostos que compõem a cesta básica, adotada recentemente pelo Governo Federal, poderá contribuir na redução nos preços de alguns itens do grupo alimentação, como carne, café, óleo, manteiga e açúcar”, avaliou.
Portal Correio
c/adaptações
@aroldorenovato

sábado, 30 de março de 2013

COLUNA BOQUEIRÃO


DINHEIRO EM CAIXA (I)

O ex-Prefeito de Boqueirão, Carlos José, deixou nos cofres da Prefeitura em 31.12.2012, segundo dados do Sagres/TCE/PB, a importância de R$ 1.403.578,23 (um milhão quatrocentos e três mil quinhentos e setenta e oito reais e vinte e três centavos). Ou seja, o novo gestor recebeu a Prefeitura com bastante dinheiro em caixa.

DINHEIRO EM CAIXA (II)

Manoelzinho Andrade, ex-Prefeito de Barra de Santana, segundo o Sagres/TCE/PB, deixou nos cofres da Prefeitura de Barra de Santana a importância de R$ 768.523,56 (setecentos e sessenta e oito mil quinhentos e vinte e três reais e cinquenta e seis centavos).

IRRIGAÇÃO INTERROMPIDA

Irrigação ameaça açude de Boqueirão e pode ser suspensa. De acordo com simulações feitas pelo Dnocs, se o volume do manancial continuar caindo, a irrigação poderá ser suspensa na região.

 


PREOCUPANTE!

Drogas matam 500 por dia no mundo. Na abertura da 56ª Sessão da Comissão de Narcóticos, em Viena, o diretor executivo do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (Unodc), Yury Fedotov, alertou que as drogas ilícitas matam mais de "500 homens, mulheres e crianças" a cada dia.
 

QUANTA PRESSA! (I)

Câmara aprova medidas de combate à seca. A Comissão de Constituição e Justiça aprovou nesta quarta-feira (27) o Projeto de Lei 2447/07, que cria a Política Nacional de Combate e Prevenção à Desertificação e Mitigação dos Efeitos da Seca. De autoria do senador Inácio Arruda (PCdoB-CE), a proposta define os objetivos, os princípios e as ações que o poder público deverá executar.

 

QUANTA PRESSA! (II)

A proposta determina que o Sistema de Informações sobre o Combate e Prevenção à Desertificação e Mitigação dos Efeitos da Seca será um dos instrumentos para fazer valer a política. Em relação à agricultura irrigada, o Estado deverá promover, nas áreas suscetíveis à desertificação, o levantamento das áreas com potencial irrigável, entre outras ações.

DESCASO COM A EDUCAÇÃO
Pesquisa mostra que 44% das escolas brasileiras não têm TV ou computador. Federais de Brasília e de Santa Catarina divulgam estudo inédito.  Com base nos dados disponíveis no Censo Escolar 2011, sobre a estrutura e equipamentos dos colégios, a UnB (Universidade de Brasília) e a UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina) fizeram uma pesquisa inédita que mostra que 44% das escolas brasileiras não têm TV ou computadores. O estudo afirma que apenas “14,9% das unidades escolares do País (29.026) oferecem um ambiente considerado adequado para o ensino e a aprendizagem”.

FARRA!
Governadores controlam máquina de 105 mil cargos sem concurso público. Pesquisa do IBGE revela que apenas na administração direta dos Estados havia, em 2012, mais de 74 mil servidores com indicação política, número 17 vezes maior que o existente no governo federal. A primeira pesquisa completa sobre a estrutura burocrática dos Estados, realizada pelo IBGE, revela que os 27 governadores empregavam em 2012, em conjunto, um contingente cerca de 105 mil funcionários que não fizeram concurso para entrar na administração pública. Se todas essas pessoas se reunissem, nenhum dos estádios da Copa de 2014 - nem mesmo o Maracanã - teria capacidade para acomodá-las. 

GUERRA CIVIL? (I)
Em menos de 3 meses, 63 pessoas são assassinadas em Campina Grande. Em um dos crimes, pedreiros são executados no bairro da Ramadinha nesta quinta na cidade ; escalada da violência na cidade assusta moradores. A escalada da violência está assustando os moradores de Campina Grande. Do começo do ano até a noite desta sexta-feira (29), 63 homicídios foram registrados na cidade, o que representa uma média de quatro assassinatos por semana. O último crime ocorreu no bairro do Santa Cruz.

GUERRA CIVIL? (II)
Número de homicídios na Grande João Pessoa sobe para 19 no feriado. Polícia registrou mais três homicídios na tarde deste sábado (30). Homem de 20 anos morreu; adolescente e uma criança ficaram feridas. Foram registrados na tarde deste sábado (30) três homicídios na Grande João Pessoa, de acordo com a Delegacia de Homicídios. Com os últimos três casos, o número de assassinatos entre a tarde da última quinta-feira (28) e o início da noite deste sábado (30) subiu para 19 na Região Metropolitana de João Pessoa.

QUEM ACREDITA?
Governador diz que não cumprirá decisão do TCE para demitir 9.000 servidores “CPFs”. TCE deu um prazo de 120 dias para o Governo do Estado demitir todos eles. O governador Ricardo Coutinho afirmou na manhã de hoje (27) durante assinatura do “Bolsa Atleta” que não vai cumprir a decisão do TCE que julgou esta semana como irregulares as contratações de 9.460 servidores na Secretaria de Saúde do Estado. De acordo com a decisão, o governo terá um prazo de 120 dias para fazer a demissão de todos eles.
O PAI DA CRIANÇA (I)
Senador acusa o governador da PB de se apropriar de iniciativas do governo federal. O senador Vital do Rêgo (PMDB-PB), lamentou a falta de uma política de desenvolvimento para os Estado por parte do governador, que apesar de receber recursos volumosos do Governo Federal, graças à atuação da bancada federal e do seu esforço nas diversas comissões que integra, deixa a Paraíba refém dos nossos estados vizinhos.
O PAI DA CRIANÇA (II)
Vital do Rêgo destaca que as obras hoje executadas na Paraíba são frutos do governo federal e do aumento da peça orçamentária do Estado. Vital relembrou que, na condição de presidente da Comissão Mista do Orçamento (CMO), conseguiu aumentar em 20% o orçamento do Estado que foi executado o ano passado. Para este ano, o senador conseguiu assegurar juntamente com a bancada federal paraibana R$ 2,8 bilhões para investimentos, o que representa o quarto maior volume da região Nordeste, juntamente com o Maranhão. Em 2014, a expectativa é que os valores ultrapassem os R$ 3 bilhões e cheguem aos R$ 6 bilhões.
Será?
Ranking na CNN traz a cidade de João Pessoa como a 10ª mais violenta do mundo. A CNN divulgou uma lista das 50 cidades mais violentas do mundo. João Pessoa, na Paraíba já é considerada a 2ª do Brasil e a 10ª cidade mais violenta do mundo. Quinze municípios brasileiros estão entre os 50 mais inseguros do mundo, segundo levantamento divulgado pela ONG (organização não governamental) mexicana “Segurança, Justiça e Paz”.

Contatos:
@aroldorenvoato

IRRIGAÇÃO PODERÁ SER SUSPENSA


Irrigação será suspensa na área de Boqueirão


De acordo com simulações feitas pelo Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (Dnocs), se o volume do manancial continuar caindo e chegar a menos de 50% da capacidade total, a irrigação poderá ser suspensa na região

Até o fim da próxima semana, haverá suspensão da irrigação na área do Açude Epitácio Pessoa, localizado no município de Boqueirão, na região de Campina Grande. A informação foi confirmada pelo diretor do Departamento Nacional de Obras contra as Secas (Dnocs), Solon Diniz. Segundo ele, os agricultores já foram informados e o Dnocs só está aguardando a colheita dos produtos que já foram plantados para suspender.

De acordo com o diretor, mesmo sendo necessária a suspensão da irrigação por causa da seca, esta não é a principal causa de consumo da água do “Boqueirão”. “De acordo com as nossas projeções, se continuar sem controle da água e sem chuvas, a água de Boqueirão só vai até outubro de 2014. Com a suspensão da irrigação, esse prazo poderia se estender até dezembro do mesmo ano”, disse.

Conforme o Dnocs, o maior volume de água se perde pelos efeitos do tempo seco, através da evaporação. Por dia, são evaporados 170 mil m³ de água do Epitácio Pessoa, seguidos de 135 m³ utilizados diariamente pela irrigação e 95 mil m³ pelo consumo humano. Atualmente, o manancial chega a perder cerca de 400 mil m³ de água, principalmente pelas altas temperaturas que variam em torno de 30°.

Desde a última medição realizada na manhã de ontem, Boqueirão estava com 54,7% de sua capacidade total de 411.686.287 m³. O diretor explicou que, a partir do momento da suspensão, os agricultores não poderão mais utilizar a água do Boqueirão para a irrigação, conhecida como “superficial”, um método que consiste em aplicar a água sobre a superfície do solo na forma de inundação permanente ou temporária. Dessa forma, o solo pode ser preparado no formato de tabuleiros ou sulcos.

Para “puxar” a água do Boqueirão, os agricultores utilizam bombas d’água para irrigar as plantações de verduras, frutas, milho e feijão. A última suspensão da irrigação aconteceu em 1998, com a fiscalização de muitos órgãos públicos, inclusive o Ministério Público. Segundo o diretor do Dnocs, no próximo dia 22, será realizada uma reunião com vários órgãos, que discutirão a situação do manancial.

17 AÇUDES EM ESTADO CRÍTICO
Subiu de 12 para 17 os açudes que estão em estado crítico na Paraíba, de acordo com os dados repassados pela Agência Executiva de Águas do Estado da Paraíba (Aesa). Isso significa que estes mananciais estão com seu volume total menor do que 5%. O último a entrar em estado crítico foi o Chupadouro I, localizado no município de São João do Rio do Peixe, no Sertão paraibano, que está com 1,1% de sua capacidade total desde o dia 06 deste mês.

Além do Chupadouro I, também estão com volume baixo o açude de Albino, na Imaculada; Bastiana e São Francisco II, em Teixeira; Bichinho, em Barra de São Miguel; Cachoeira da Vaca, em Cachoeira dos Índios; Caraibeiras, Picuí; Carneiro, Jericó; Novo II, Tavares; Ouro Velho, no município de mesmo nome; Prata II, em Prata; Serra Branca I, em Serra Branca; Serrote, Monteiro; São José III, em São José dos Cordeiros; São José IV, em São José do Sabugi; São Mamede, na cidade de mesmo nome, e Várzea, também no município de mesmo nome; todos localizados no Sertão ou Cariri/Curimataú paraibano.

Portal Taperoá

c/adaptações
@aroldorenovato

PREOCUPANTE!


Drogas matam 500 por dia no mundo



Drogas matam 500 por dia no mundo
Na abertura da 56ª Sessão da Comissão de Narcóticos, em Viena, o diretor executivo do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (Unodc), Yury Fedotov, alertou que as drogas ilícitas matam mais de "500 homens, mulheres e crianças" a cada dia.

Relatório divulgado hoje pelo órgão aponta que a América do Norte e a Oceania registram o maior número de mortes relacionadas às drogas - um em cada 20 mortes entre a população de 15 a 64 anos, informou a agência de notícias de Portugal, Lusa. Para as Nações Unidas, os números apontam maior consumo nessas regiões, mas também melhor monitoramento dos dados.


A planta cannabis é a droga mais consumida no mundo, seguida pelas anfetaminas. Segundo Fedotov, o consumo e fabricação de cocaína reduziu, porém houve alta do consumo e produção de drogas sintéticas e de novas substâncias psicoativas.


Em 2010, o órgão das Nações Unidas calculava que “de 153 a 300 milhões de pessoas, ou seja, de 3,4% a 6,6% das pessoas com idades entre 15 e 64 anos em todo o mundo” tinham consumido algum tipo de droga pelo menos uma vez no ano.

Para Fedotov,  "as drogas ilícitas e o crime são uma barreira ao Estado de Direito e à democracia" e "representam uma ameaça clara à estabilidade e à segurança de regiões e ao desenvolvimento econômico e social".

Até o dia 15, mais de mil representantes de países e da sociedade civil vão debater medidas internacionais para o combate às drogas.


EBC
c/adaptações
@aroldorenovato

QUANTA PRESSA!


Câmara aprova medidas de combate à seca


O projeto determina como princípios da política de combate à seca a democratização do acesso à terra e à água

A Comissão de Constituição e Justiça aprovou nesta quarta-feira (27) o Projeto de Lei 2447/07, que cria a Política Nacional de Combate e Prevenção à Desertificação e Mitigação dos Efeitos da Seca. De autoria do senador Inácio Arruda (PCdoB-CE), a proposta define os objetivos, os princípios e as ações que o poder público deverá executar. O texto segue para o Senado.

A proposta determina que o Sistema de Informações sobre o Combate e Prevenção à Desertificação e Mitigação dos Efeitos da Seca será um dos instrumentos para fazer valer a política. Em relação à agricultura irrigada, o Estado deverá promover, nas áreas suscetíveis à desertificação, o levantamento das áreas com potencial irrigável, entre outras ações.

Objetivos
Além de prevenir e combater a desertificação e recuperar as áreas afetadas, a política nacional de combate à seca terá como objetivos, entre outros, apoiar o desenvolvimento sustentável nas áreas suscetíveis à desertificação; instituir mecanismos de proteção, conservação e recuperação de mananciais, vegetações e solos degradados; e integrar a gestão de recursos hídricos com as ações de prevenção e combate à desertificação.
O projeto determina como princípios da política de combate à seca a democratização do acesso à terra e à água; a participação das comunidades no processo de elaboração e de implantação das ações de combate à desertificação; e a incorporação do conhecimento tradicional sobre uso sustentável dos recursos locais.

São outros pontos básicos o planejamento e a integração entre ações locais, regionais e nacionais; a cooperação entre todos os níveis de governo; a articulação com os programas dos diversos ministérios que tenham ações afins; e a harmonização da política com a Convenção das Nações Unidas de Combate à Desertificação (CCD), com a Convenção sobre Diversidade Biológica (CDB) e com a Convenção sobre Mudança do Clima.
Agência Câmara

Notícias On Line

c/adaptações
@aroldorenovato

GUERRA CIVIL?


Número de homicídios na Grande João Pessoa sobe para 19 no feriado

Polícia registrou mais três homicídios na tarde deste sábado (30). Homem de 20 anos morreu; adolescente e uma criança ficaram feridas.

Foram registrados na tarde deste sábado (30) três homicídios na Grande João Pessoa, de acordo com a Delegacia de Homicídios. Com os últimos três casos, o número de assassinatos entre a tarde da última quinta-feira (28) e o início da noite deste sábado (30) subiu para 19 na Região Metropolitana de João Pessoa. Segundo informações da polícia, dos três últimos assassinatos, dois homicídios aconteceram em João Pessoa e um em Santa Rita.

Por volta das 17h, um homem de 20 anos foi morto a tiros dentro de uma casa no Altiplano, em João Pessoa. De acordo com a Polícia Militar, a vítima teria sido assassinada no lugar do seu irmão. Durante os disparos, uma criança de 12 anos e uma adolescentes de 16 anos foram atingidas e levadas para o Hospital de Trauma de João Pessoa. A polícia não tem pistas dos suspeitos.

No município de Santa Rita, na Grande João Pessoa, um adolescente de 16 anos foi assassinado enquanto bebia em uma bar. De acordo com informações de testemunhas à polícia, um homem se aproximou do adolescente e atirou várias vezes. Já por volta das 13h, no bairro de Mandacaru, na capital, um outro adolescente foi baleado e morreu após dar entrada no Hospital de Trauma de João Pessoa.

Segundo informações da Polícia Militar, a vítima de 13 anos passava de motocicleta na Rua José Barbalho Filho quando foi atingida por um tiro na cabeça. A própria polícia levou o adolescente para o hospital, mas no final da tarde deste sábado o adolescente não resistiu ao ferimento e morreu.
G1
c/adaptações
@aroldorenovato

O BRASIL MUDOU?


A DIÁSPORA DA DESESPERANÇA


Acabou-se a senzala do quartinho de empregada, onde essas trabalhadoras, muitas vezes, cumpriam jornadas desumanas que superavam 16 horas de trabalho/dia – sem direito a hora-extra. Não mais

O título acima, o devido crédito seja dado, peguei emprestado do artigo de Clóvis Rossi na Folha da última quinta-feira, 28.03.2013. Rossi era um grande jornalista – eu o chamava de "mestre" –, mas começou a esculachar o Lula de tal maneira que caiu em desgraça. Mas isso é passado. Talvez ainda seja um grande jornalista, um tanto amargurado pelo ceticismo dos anos FHC, talvez. Mas como disse, isso pertence ao passado.
Passado também o tempo em que brasileiros desesperançados e desalentados deixavam o país em busca de esperança e oportunidades em outras plagas. Lembram-se desses tempos?
Tempos em que jovens oriundos da classe média, que sequer arrumavam a cama ao se levantar pela manhã em suas casas, emigraram para limpar pratos e privadas no exterior.
Hoje poderão, se assim desejarem, trabalhar como empregados domésticos aqui mesmo no Brasil, pois esse trabalho está sendo finalmente regulamentado – apesar de sobrarem vagas para engenheiros, professores e cientistas, por exemplo. Um empregado doméstico, aqui no Brasil, poderá ganhar tão bem quanto nos EUA. Acabou-se a senzala do quartinho de empregada, onde essas trabalhadoras, muitas vezes, cumpriam jornadas desumanas que superavam 16 horas de trabalho/dia – sem direito a hora-extra. Não mais.
Um amigo dos tempos de poesia marginal, que vive em Lisboa há mais de 15 anos, me passa e-mail perguntando/sondando como estão as coisas aqui no Brasil, pois lá a coisa tá ficando feia. Deseja voltar. É muito bem-vindo! E será bem recebido.
O meu amigo e todos os brasileiros, que por força das circunstâncias se viram obrigados a deixar a sua terra natal encontrarão, quando retornarem, outro Brasil. Um país com uma das menores taxas de desemprego de que se tem notícia e, portanto, muitas oportunidades de trabalho, emprego e renda.
O governo brasileiro acaba de criar um portal para brasileiros como o meu amigo, que pretendem voltar ou estão retornando para o Brasil – chama-se Portal do Retorno.

O curioso, mas isso eu me esqueci de contar ao meu amigo, é que as pessoas que levaram o país àquela situação de "pré-insolvência" da década de 1990, que jogaram milhões de brasileiros nessa infame "diáspora da desesperança", agora se apresentam, na maior "cara de pau", como "o novo" e dizem que podem fazer mais pelo Brasil e pelos brasileiros.
Acredite se quiser.
Brasil 247
Lula Miranda

 c/adaptações

@aroldorenovato

DESCASO COM A EDUCAÇÃO


Pesquisa mostra que 44% das escolas brasileiras não têm TV ou computador

Federais de Brasília e de Santa Catarina divulgam estudo inédito


Com base nos dados disponíveis no Censo Escolar 2011, sobre a estrutura e equipamentos dos colégios, a UnB (Universidade de Brasília) e a UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina) fizeram uma pesquisa inédita que mostra que 44% das escolas brasileiras não têm TV ou computadores. O estudo afirma que apenas “14,9% das unidades escolares do País (29.026) oferecem um ambiente considerado adequado para o ensino e a aprendizagem”.

A informação foi divulgada no portal da UNB na última semana. Segundo nota divulgada, “86.739 colégios oferecem apenas água, sanitários, cozinha, energia elétrica e esgoto aos funcionários e alunos que os frequentam. Não há salas para diretores, TV, DVD, computadores ou impressoras nesses ambientes”. Apenas 0,6% das escolas têm infraestrutura avançada, aquelas com sala de professores, biblioteca, laboratório de informática, quadra esportiva,parque infantil, acesso à internet.

Os piores resultados foram encontrados na rede municipal. De 124.614 escolas municipais pesquisadas, 61,8% têm infraestrutura elementar, 31,6% básica, 6,4% adequada e apenas 0,2% avançada. Entre as estaduais, a maior parte está na categoria básica (51,3% de 32.316) e 33,3% na adequada. As escolas privadas tiveram um resultado pior que as municipais e estaduais. “De 37.551 colégios, 13,9% oferecem condições elementares; 58,4% condições básicas; 26,8% adequada e somente 0,9% avançada”. Já as escolas federais apresentam um cenário melhor, mas poucas têm estrutura avançada (4,4%). A maior parte (58,1%) é considerada adequada e apenas 5,1% é elementar.

Regiões
Foram avaliadas 194.932 escolas o que demonstrou que a desigualdade nas condições da infraestrutura também é geográfica. O estudo aponta que “das 24.079 escolas da região Norte, 71% (17.090) têm infraestrutura elementar. No Nordeste, a proporção é de 65,1% (49.338) do total. Nas outras regiões, o nível básico é o que possui os maiores percentuais: 51,7% no Centro-Oeste, 57% no Sudeste e 49,8% no Sul”.

R7
c/adaptações
@aroldorenovato

CABIDE DE EMPREGOS?


Governadores controlam máquina de 105 mil cargos sem concurso público

Pesquisa do IBGE revela que apenas na administração direta dos Estados havia, em 2012, mais de 74 mil servidores com indicação política, número 17 vezes maior que o existente no governo federal

A primeira pesquisa completa sobre a estrutura burocrática dos Estados, realizada pelo IBGE, revela que os 27 governadores empregavam em 2012, em conjunto, um contingente cerca de 105 mil funcionários que não fizeram concurso para entrar na administração pública. Se todas essas pessoas se reunissem, nenhum dos estádios da Copa de 2014 - nem mesmo o Maracanã - teria capacidade para acomodá-las.

Apenas na chamada administração direta, da qual estão excluídas as vagas comissionadas das empresas estatais, o número de funcionários subordinados aos gabinetes dos governadores ou às secretarias de Estado sem concurso público chega a 74.740, o suficiente para ocupar 98% do maior estádio do Brasil. No governo federal há 4.445 servidores sem concurso em cargos de confiança na chamada administração direta, ou 0,7% do total dessa categoria. Já nos Estados, a proporção chega a 2,8%.
Gestão indireta
Na administração indireta dos governos estaduais - autarquias, fundações e empresas públicas, segundo a metodologia da Pesquisa de Informações Básicas Estaduais, do IBGE -, há outros 30.809 servidores comissionados não concursados, contingente que encheria metade do estádio Beira Rio, em Porto Alegre. No governo federal, são 1.300, mas qualquer comparação é indevida, pois o conceito de administração indireta não é o mesmo nas diferentes esferas.
Líder
Do total de 105,5 mil servidores sem concurso nos Estados, quase 10% estão em Goiás. O governador Marconi Perillo (PSDB) abriga em sua burocracia 10.175 funcionários nessa situação, o que o torna líder no ranking desse tipo de nomeações em números absolutos. A Bahia, governada pelo petista Jaques Wagner, vem logo atrás, com 9.240 não concursados.
Ao se ponderar os resultados pelo tamanho da população, os governadores que saltam para a liderança do ranking são os de Rondônia, Confúcio Moura (PMDB), e do Distrito Federal, Agnelo Queiroz (PT), com 937 e 263 cargos por 100 mil habitantes, respectivamente.
Os oito governadores do PSDB controlam, em conjunto, 37,6 mil cargos ocupados por servidores não concursados. Os quatro governadores do PT, por sua vez, têm em mãos 23 mil vagas. Logo atrás estão os quatro do PMDB, com 21,6 mil. O peso dos partidos muda quando se pondera a quantidade de cargos controlados por 100 mil habitantes. Nesse caso, o PT passa para o primeiro lugar (75), e o PSDB cai para o quinto (41).
Função política
Em teoria, os cargos de livre nomeação servem para que administradores públicos possam se cercar de pessoas com quem têm afinidades políticas e projetos em comum. Na prática, no entanto, é corrente o uso dessas vagas como moeda de troca. Além de abrigar seus próprios eleitores ou correligionários, os chefes do Executivo distribuem as vagas sem concurso para partidos aliados em troca de apoio no Legislativo ou em campanhas eleitorais.
"Os critérios e métodos de composição de governo que servem para a esfera federal se reproduzem nos Estados", observa o cientista político Carlos Melo. "A grande reforma política que poderíamos fazer seria reduzir ao mínimo esses cargos, tanto no âmbito da União quanto no dos Estados e municípios. Faremos? Creio que não. Não interessa ao sistema político."
Cargos de livre nomeação também podem ser usados para atrair para a máquina pública profissionais qualificados que não têm interesse permanente. Mas a pesquisa do IBGE mostra que nem sempre isso acontece. Em Goiás, por exemplo, 49% dos comissionados têm apenas o ensino fundamental, segundo registros oficiais. O governo diz que não controla a escolaridade (leia texto abaixo). No governo federal, apenas 1,4% dos comissionados têm escolaridade até o 1º grau.
"Não podemos tirar nenhuma conclusão sobre a competência dos servidores, mas são evidentes os critérios utilizados para nomear pessoas para o serviço público", avalia o cientista político Sergio Praça. "Em termos de estruturação administrativa, os Estados estão atrasados em relação ao governo federal."
O Estadão
c/adaptações
@aroldorenovato

 

 

GUERRA CIVIL?


Em menos de 3 meses, 63 pessoas são assassinadas em Campina Grande

Em um dos crimes, pedreiros são executados no bairro da Ramadinha nesta quinta na cidade ; escalada da violência na cidade assusta moradores

A escalada da violência está assustando os moradores de Campina Grande. Do começo do ano até a noite desta sexta-feira (29), 63 homicídios foram registrados na cidade, o que representa uma média de quatro assassinatos por semana. O último crime ocorreu no bairro do Santa Cruz.

O mototaxista Severino Marcos Alves da Silva, 53 anos, foi assassinado com um tiro no peito, em frente ao colégio Nenzinha Cunha Lima. Ainda não se sabe os motivos do crime. A polícia trabalha com a hipótese de reação a assalto.
Nesta quinta-feira (28), dois pedreiros foram assassinados às 17h30, em plena via pública, no bairro da Ramadinha. Os dois foram executados com vários tiros por uma dupla que fugiu a pé. Nas estatísticas deste ano, o bairro do Tambor é o mais violento, com cindo casos registrados em 2013.

Na quarta-feira, um homem foi morto no  bairro Alto Branco, quando tentava roubar uma churrascaria. Até o fechamento da edição, o assaltante não tinha sido identificado pela polícia. A delegada Cassandra Duarte informou que o acusado também não foi identificado. "O que nos foi repassado é que dois rapazes chegaram em uma motocicleta e anunciaram o assalto".
O comandante de Policiamento Regional I (CPR-I), coronel Marcos Sobreira, declarou que a integração com a Polícia Civil é essencial para diminuir os índices de violência e destacou o caso do bairro Mutirão, onde nove pessoas foram assassinadas em 2012, mas nenhum caso foi registrado este ano. “Nós buscamos integrar com outros órgãos, para ver se minimizamos estas questões. Uma das prevenções é a questão social que chamamos de prevenção primária do delito, com políticas para área social. Temos buscado integrar as ações com a Polícia Civil, porque quando os criminosos se tornam identificáveis, quebra-se o sentimento de impunidade, quando se sabe que alguém foi preso, o criminoso vai pensar duas vezes em praticar o ato”, disse.
A instalação de Unidades de Polícia Solidária (UPS) é apontada como fundamental no combate aos homicídios. “É uma das saídas, com a presença da polícia inserida no contexto do bairro, vai haver naturalmente uma relação de confiança, filosofia de fixação do efetivo no bairro. Desde que foi instalada a UPS do Mutirão, não só os homicídios deixaram de acontecer, como as pessoas estão se relacionando bem com a polícia, há uma interação, uma relação de confiança”, ressaltou. Segundo o coronel Sobreira, a próxima UPS será instalada no Bairro Pedregal, no próximo mês. 
Portal Correio
c/adaptações
@aroldorenovato

QUEM ACREDITA?

Governador diz que não cumprirá decisão do TCE para demitir 9.000 servidores “CPFs”

TCE deu um prazo de 120 dias para o Governo do Estado demitir todos eles.



O governador Ricardo Coutinho afirmou na manhã de hoje (27) durante assinatura do “Bolsa Atleta” que não vai cumprir a decisão do TCE que julgou esta semana como irregulares as contratações de 9.460 servidores na Secretaria de Saúde do Estado. De acordo com a decisão, o governo terá um prazo de 120 dias para fazer a demissão de todos eles.


Para o governador, o Estado vai recorrer da decisão para evitar a paralisação dos serviços, já que não há tempo hábil para realização de concurso público. Ricardo disse que sua gestão de dois anos e três meses foi a que mais contratou concursados e lembrou esse problema vem se arrastando há mais de vinte anos.

As irregularidades apontadas pela auditoria do TCE envolvem as contratações de 1.923 prestadores de serviço e 7.537 servidores 'codificados', que são servidores sem nenhum vínculo com o Estado e que recebem seus salários mediante a apresentação do número do CPF.

Os auditores realizaram uma inspeção especial para verificação do quadro de pessoal nos hospitais vinculados à Secretaria de Saúde. O resultado da inspeção foi analisado ontem pelos membros da Segunda Câmara. O processo teve como relator o conselheiro André Carlo Torres Pontes, que em seu voto determinou a aplicação de multa de R$ 6 mil ao secretário da Saúde, Waldson Dias de Souza e de R$ 4 mil para a secretária de Administração, Livânia Farias.

Clickpb
c/adaptações
@aroldorenovato

SERÁ?

Ranking na CNN traz a cidade de João Pessoa como a 10ª mais violenta do mundo

O ranking é organizado de acordo com a quantidade de mortes violentas em proporção com a quantidade de habitantes de cidades com mais de 300 mil habitantes

A CNN divulgou uma lista das 50 cidades mais violentas do mundo. João Pessoa, na Paraíba já é considerada a 2ª do Brasil e a 10ª cidade mais violenta do mundo.
Quinze municípios brasileiros estão entre os 50 mais inseguros do mundo, segundo levantamento divulgado pela ONG (organização não governamental) mexicana “Segurança, Justiça e Paz”.

O ranking é organizado de acordo com a quantidade de mortes violentas em proporção com a quantidade de habitantes de cidades com mais de 300 mil habitantes. No top 10, duas cidades brasileiras: Maceió em 6º (85) e João Pessoa em 10º (71). No total são 15 cidades, uma a mais que o ano passado com a entrada de Brasília, o que nos confere um percentual de 30% das cidades mais violentas do mundo. Devidos aos questionamentos dos dados de anos anteriores, desta vez o relatório apresenta uma lista de fontes de dados, representadas no Brasil em quase sua maioria pelas secretarias de segurança pública dos referidos estados.

Os realizadores da lista não descartam a possibilidade de que secretarias de cidades marcadas pela violência, como é o caso do Rio, mascarem seus dados para não serem listadas. Ademais informam que receberam muitas reclamações de autoridades governamentais no ano passado porque a lista mancha o nome de cidades reconhecidamente turísticas. No entanto insistem que as cifras são oficiais e o ranking não faz outra coisa senão reconhecer a realidade de sua violência e a incapacidade dos governantes para contê-la e reduzi-la.
Brejo.com
c/adaptações
@aroldorenovato

PAI DA CRIANÇA

Senador acusa o governador da PB de se apropriar de iniciativas do governo federal 

Vital do Rêgo destaca que as obras hoje executadas na Paraíba são frutos do governo federal e do aumento da peça orçamentária do Estado

O senador Vital do Rêgo (PMDB-PB), lamentou a falta de uma política de desenvolvimento para os Estado por parte do governador, que apesar de receber recursos volumosos do Governo Federal, graças à atuação da bancada federal e do seu esforço nas diversas comissões que integra, deixa a Paraíba refém dos nossos estados vizinhos.

Vital do Rêgo destaca que as obras hoje executadas na Paraíba são frutos do governo federal e do aumento da peça orçamentária do Estado. Vital relembrou que, na condição de presidente da Comissão Mista do Orçamento (CMO), conseguiu aumentar em 20% o orçamento do Estado que foi executado o ano passado. Para este ano, o senador conseguiu assegurar juntamente com a bancada federal paraibana R$ 2,8 bilhões para investimentos, o que representa o quarto maior volume da região Nordeste, juntamente com o Maranhão. Em 2014, a expectativa é que os valores ultrapassem os R$ 3 bilhões e cheguem aos R$ 6 bilhões.

Apesar deste volume de recursos o senador paraibano assegura que o Estado continua engessado no tocante a um planejamento estadual para melhorias, na saúde, segurança, educação e ao combate à seca. Para o peemedebista o próprio secretário de Segurança Pública, Cláudio Lima veio a público confirmar o caos que se encontra a segurança pública na Paraíba. "Nós precisamos dar uma resposta melhor, somos conscientes disso", afirmou o secretario há poucos dias na mídia estadual.

O congressista ressalta ainda que só para a educação só este ano será disponibilizado R$ 1,2 bilhão. Na Saúde, do total de R$ 982,4 milhões destinados aos programas dessa área no Estado, aproximadamente R$ 519,6 milhões serão utilizados no programa de assistência hospitalar e ambulatorial. Entre outras ações, são desenvolvidas atividades relacionadas à atenção à saúde da população para procedimentos em média e alta complexidade, ambulatorial e hospitalar. "Desta forma recursos nos alocamos para o Estado, o que falta é planejamento estadual. As obras que ainda existem, são oriundas do governo federal que tem a força da presidente Dilma. Tem a presença de nosso governo. Não tem uma obra no Estado que não tenha a força da presidente Dilma, mesmo o governador tentando esconder a parceria federal que as financia", disse Vital.

O parlamentar peemedebista tem criticado a carência de obras de infraestrutura e se fixa, especialmente, no capítulo das ações de combate à estiagem: "Seu governo destinou apenas R$ 650 mil para a área de combate à seca, gestão de recursos naturais e contra a desertificação. É uma verba irrisória, ridícula. O governador está menosprezando quem está clamando para construir uma estrutura para combater os efeitos da Seca. Quando a Paraíba elegeu Ricardo Coutinho, esperava que ele fizesse algo de novo. Mas, o que vemos é um governo que gasta quase R$ 36 milhões com mídia, isso é algo lamentável", afirmou o senador onde lembra que amanhã comemorasse o Dia de São José. Se chover nessa data, para os sertanejos, haverá um bom inverno. A perspectiva, conforme meteorologistas da Aesa, no entanto, é de que este ano a estação seja de poucas chuvas.

Ações da Funasa - Segundo Veneziano, na ausência de ações próprias, o Governo do Estado tem se apropriado de ações do Governo Federal para tentar criar uma imagem de que tem atuado para minimizar os efeitos da estiagem. Ele citou o caso das ordens de serviço e das ações de saneamento anunciadas pelo governador no último final de semana, no Cariri paraibano.

"O governador deveria ter, pelo menos, a humildade de dizer que foi ao Cariri para anunciar iniciativas de saneamento que são do Governo Federal, através da Funasa. O que ele tem feito é cortesia com o chapéu alheiro, tem se aproveitado das ações federais para fazer, simplesmente, política".

Outra falta de planejamento e articulação do chefe do executivo estadual lembrada por Veneziano Vital é referente à revitalização do Porto de Cabedelo, pois apesar do governador ser do PSB e o secretário Nacional dos Portos também ser e já ter anunciado um programa de restruturação dos portos do Brasil, a Paraíba ficou de fora desta importante ação.

Vital lembra que o próprio secretário estadual de Planejamento, Gustavo Nogueira, confirmou em recente entrevista a mídia paraibana que o Estado está aquém de obras estruturantes. "à Paraíba necessita de mais obras estruturantes, a exemplo da revitalização do Porto de Cabedelo", disse o secretário, atentando a falta de planejamento da gestão.

2012- Entre os 26 Estados e o Distrito Federal, a Paraíba ficou em 12º lugar no país e no 5 º do Nordeste em volume de recursos transferidos do governo federal em 2012. No total, a União repassou mais de R$ 7,1 bilhões, sendo R$ 3,25 bilhões para o governo do Estado e R$ 3,86 bilhões para as prefeituras.

ClickPb

c/adaptações


@aroldorenovato